8 janeiro 2015

Correndo depois dos 60 anos

A corrida é um esporte para todos, mesmo na melhor idade, sempre respeitando os limites do corpo, em um processo contínuo de melhora da saúde e da qualidade de vida. Um recente estudo americano comprovou que pessoas com mais de 60 anos que praticam a corrida, pelo menos três vezes por semana, têm a mesma energia muscular e o mesmo nível metabólico que jovens sedentários na faixa dos vinte anos. De acordo com o estudo publicado pela revista PLOS One em novembro passado, correr pode ser a fonte da juventude muscular e da resistência física

Os pesquisadores recrutaram 30 idosos saudáveis, com idade média de 69 anos, que correram ou caminharam por pelo menos meia hora, três vezes por semana, durante os 6 meses anteriores. Dos 30 pesquisados, 15 eram corredores e 15 eram caminhantes. Todos passaram por testes de economia de energia e nível de metabolismo durante o exercício físico em diferentes intensidades. Aqueles que corriam, apresentaram resultados muito melhores do que aqueles que apenas caminhavam, cerca de 10% de maior eficiência energética no desempenho em três velocidades diferentes de corrida. Esta eficiência do grupo de idosos corredores foi comparada a de jovens sedentários expostos ao mesmo exercício. O resultado: os corredores idosos têm a mesma eficiência energética e o mesmo nível metabólico que jovens sedentários na faixa dos 20 anos. Por outro lado, o grupo dos idosos caminhantes apresentou o nível metabólico semelhante ao de idosos sedentários.

Antes de se aventurar na corrida, o idoso deve fazer um check-up médico, procurar um cardiologista para verificar como anda o coração, além de uma consulta com um ortopedista, para que seja feita uma avaliação postural, a verificação do histórico de lesões, problemas articulares ou desgastes dos ossos e ligamentos, que são inevitáveis com a idade. Estes exames vão apresentar a condição atual do futuro corredor e garantem que a iniciação seja feita de forma segura. A assistência de um profissional de educação física ou fisioterapeuta especializado também é fundamental. Ele irá elaborar o programa de iniciação e o treinamento de acordo com a idade e os objetivos do idoso, sempre levando em conta o histórico esportivo, lesões, problemas de saúde, patologias pré-existentes, limitações e dificuldades.

E os benefícios desse empenho são muitos: melhora do funcionamento do sistema cardiorrespiratório, aumento do tônus muscular, manutenção do peso corporal, melhora na qualidade do sono, mais disposição para as atividades do dia a dia, sociabilização, enfim, uma melhoria total da qualidade de vida. O treinador físico certamente também irá recomendar a prática da musculação funcional, como trabalho paralelo de força, o que promove mais equilíbrio, flexibilidade, fortalecimento da lombar e do abdômen, já que os problemas de coluna se tornam mais frequentes com o avanço da idade.

Para aqueles que correm atrás da fonte da juventude, este tesouro para a nossa saúde está aí mesmo: a corrida!

Deixe um comentário